Azeite: A gordura de eleição

Posted in: noticias- Mai 04, 2018 Comentários desligados

Azeite: A gordura de eleição

A Dieta Mediterrânica preconiza o consumo de alimentos de origem vegetal. Assim, no que diz respeito ao grupo das gorduras, o azeite assume-se como a gordura de eleição.1

Contrariamente às gorduras de origem animal, que contêm uma elevada proporção de ácidos gordos saturados e colesterol, o azeite, por ser uma gordura de origem vegetal, possui um elevado teor de ácidos gordos monoinsaturados, principalmente de ácido oleico que está relacionado com a diminuição do risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Esta relação deve-se à ação destes ácidos gordos na redução do colesterol LDL (“mau colesterol”), sem diminuir os níveis de colesterol HDL (“bom colesterol”), e sem aumentar os triglicéridos.1

Este alimento contém também propriedades antioxidantes, uma vez que é rico em vitaminas lipossolúveis (A, D, E e K) e polifenóis, estando estes associados à limitação da formação de radicais livres o que diminui o estado inflamatório, retarda o envelhecimento celular, diminui o risco de desenvolvimento de doenças neurodegenerativas e de determinados tipos de tumores malignos.2

Apesar de todos os benefícios que o azeite confere à saúde, não deixa de ser uma gordura e, como tal, tem um valor energético elevado, fornecendo 9 Kcal por grama. Deste modo, devemos eleger o azeite como a principal gordura, mas consumi-lo com moderação. É recomendado o consumo de 1 a 3 porções diárias de gordura em que uma porção corresponde a 1 colher de sopa de azeite (10g).3

 

  1. Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. Guia Alimentar Mediterrânico – Fundamentação e Desenvolvimento. 2016
  1. Uylaser, V. and G. Yildiz. The historical development and nutritional importance of olive and olive oil constituted an important part of the Mediterranean diet. Critical Reviews in Food Science and Nutrition. 2014
  1. Associação Portuguesa dos Nutricionistas. Alimentação Adequada: Faça mais pela sua Saúde. 2011

 

Olive oil

The Mediterranean Diet promotes the intake of plant foods such as fruits, vegetables, cereals, nuts, among others, and olive oil. Among dietary fats, olive oil is considered to be the healthiest choice1.

Opposite to animal fat, which contains a high amount of saturated fatty acids and cholesterol, olive oil has a high content of monounsaturated fatty acids, mainly the oleic acid, which is related to lower risk of cardiovascular diseases. These fatty acids can reduce the LDL cholesterol (the harmful cholesterol), maintaining at the same time the levels of HDL cholesterol (the “good” cholesterol) and without increasing triglycerides levels1.

Olive oil also has antioxidant properties, due to liposoluble vitamins (A, D, E and K) and to its polyphenols content, which are associated with free radicals’ prevention, reducing the inflammatory condition, slowing the cellular aging, lowering the risk of neurodegenerative diseases and of certain types of tumors2.

Despite all the health benefits associated to olive oil, by being a dietary fat it still presents a high energetic value, providing 9 kcal per gram. Therefore, olive oil should be the number one choice within all dietary fats, but its intake should be moderate as well. The recommend daily intake of dietary fat is 1 to 3 servings, which corresponds to 1 table spoon of olive oil (10g)3.

 

  1. Programa Nacional para a Promoção da Alimentação Saudável. Guia Alimentar Mediterrânico – Fundamentação e Desenvolvimento. 2016
  1. Uylaser, V. and G. Yildiz. The historical development and nutritional importance of olive and olive oil constituted an important part of the Mediterranean diet. Critical Reviews in Food Science and Nutrition. 2014
  1. Associação Portuguesa dos Nutricionistas. Alimentação Adequada: Faça mais pela sua Saúde. 2011