Alimentação e Ambiente

Posted in: noticias- Jan 07, 2019 Comentários desligados

AMBIENTE 

A população mundial está a aumentar, podendo em 2050 atingir os 9 biliões, o que resultará num aumento da produção alimentar em 60%. Na verdade, atualmente gastamos o equivalente a 1,6 planetas. Relativamente à produção alimentar, esta apresenta um impacto ambiental significativo, com 31% das emissões europeias de gases de estufa a provir da alimentação, sendo que cerca de 20% é relativa apenas a produtos de origem animal.

Os recursos que temos disponíveis são limitados, como é o caso das reservas de água doce. Todavia, são necessários 2000-5000 L de água para produzir os alimentos consumidos (por uma pessoa diariamente), sendo gastos 7,4 triliões de litros de águana irrigação da produção agrícola, apenas num dia. Até 2015, somente em 25 anos, foram destruídos 129 milhões de hectares de floresta. Relativamente ao aquecimento global, o Panel on Climate Change (IPCC) estima que a temperatura subaentre 0,3 a 0,7 oC, até 2035. Por sua vez, tem-se verificado uma diminuição da espessura do Ártico de cerca de 40%, nos últimos 30 anos.

1/3 (cerca de 1,3 biliões de toneladas por ano) dos alimentos produzidos não são consumidos, sendo consequentemente desperdiçados. Estas perdas alimentares e o desperdício aumentam as emissões de gases com efeito de estufa, sendo responsáveis pela emissão de 8% das mesmas.

Os produtos de origem animal, como a carne, utilizam a maior quantidade de água e solo e emitem maior % de gases de efeito de estufa. Contudo, 20% dos 263 milhões de toneladas de carne produzida num ano é perdida ou desperdiçada. É de salientar que os portugueses consomem mais alimentos de origem animal (cerca de 18% mais de carne, pescado, ovos e lacticínios do que o recomendado) do que de origem vegetal (menos cerca de 17% de hortícolas, fruta e leguminosas do que as recomendações).

Para além dos gastos na produção e perdas, também o processamento, o transporte e o embalamento utilizam inúmeros recursos, sendo o plástico o material mais utilizado para a embalagem, auxiliando igualmente no desperdício e poluição. De modo a compreender melhor o impacto ambiental das diferentes etapas da cadeia alimentar consulte esta infografia.

Desta forma, é urgente que sejam tomadas medidas, de modo a controlar o avanço notório na destruição do planeta e nos efeitos nefastos que temos vindo a presenciar, adotando práticas sustentáveis. Segundo a FAO, a sustentabilidade consiste em práticas que permitem garantir osdireitos do homem, satisfazendo as necessidades presentes e futuras, sem causar danos irreversíveis no ecossistemae sem comprometer o futuro das seguintes gerações.

ALIMENTAÇÃO

Um alimento sustentávelé:

  • produzido com recurso a métodos de produção que respeitam o ambiente e os animais;
  • local e sazonal adquirido diretamente aos produtores;
  • não processado, de modo a minimizar a quantidade de recursos utilizados (p.e. água, combustível);
  • que respeita o bem-estar do ambiente, dos animais, dos produtores e dos consumidores.

Na verdade, a Dieta Mediterrânica, é um padrão alimentar, mas também um estilo de vida sustentável, que promove a região do Mediterrânico.

Este padrão alimentar promove o consumo de alimentos frescos, locais e sazonais, cozinhados de forma simples e saudável, promovendo a diversidade do consumo de alimentos e diminuindo todo o impacto ambiental verificado aquando do embalamento e transporte dos alimentos. Adicionalmente, nesta Dieta, há um maior consumo dealimentos com menor impacto ambiental, designadamente, os produtos hortícolas, a fruta, os cereais integrais e seus derivados e os tubérculos, como a batata. Por outro lado, facilita a diminuição do desperdício alimentar, uma vez que promove moderação no consumo.

Por último, deixamos aqui algumas dicas práticas que podem ajudar a que a sua alimentação seja mais sustentável:

- Não desperdice água;

- Diminua o consumo de carne ou peixe, substituindo por leguminosas (feijão, lentilhas, ervilhas…) e por cereais (arroz, massa, pão…).

- Compre produtos sazonais e locais (consulte o calendário da sazonalidade aqui), podendo, sempre que possível, optar por modos de produção biológica;

- Compre produtos avulso e frescos, evitando o uso de embalagens desnecessárias;

- Compre fruta menos bonita, mas igualmente saborosa;

- Planeie as suas compras, de modo a evitar e combater o desperdício. Reaproveite as suas sobras.

 

REFERÊNCIAS:

- E-book APN

- https://nutrimento.pt/noticias/outubro-mes-em-que-celebramos-a-alimentacao-e-a-protecao-do-planeta/

- Lopes C, Torres D, et al. Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, IAN-AF 2015-2016: Relatório de resultados. Universidade do Porto, 2017. ISBN: 978-989-746-181-1.

- Alimentação Inteligente – coma melhor, poupe mais (2012).

 

 

FOOD AND ENVIRONMENT

 

ENVIRONMENT

World population is growing and in 2050 we will be 9 billion, which will result in an increase of 60% in food production. Nowadays we use more or less 1,6 planets. Focusing on food production, it has a significative environment impact since 31% of the emissions of greenhouse gases derive from food production, in which 20% is only related to animal products.

The available resources are limited, like freshwater supplies. However, 2000-5000L of water is needed to produce foods consumed (by a person per day) and7,4 trillion liters of wateris used in one day just for irrigation in agriculture.

Until 2015, only in 25 years, 129 million hectares of forest were destroyed. The environment impact of our food production is a great factor in global warming. The Panel on Climate Change (IPCC) estimates that the earth temperatures will risebetween 0,3 to 0,7 oC, until 2035. The Artic thickness has been decreasing in the last 30 years in about 40%.

One third (nearly 1,3 billion tons per year) of the produced foods are not consumed and it’s being wasted. This food wastage increases the greenhouse gases emissions, being responsible for 8% of this kind of emissions.

Animal products, like meat, require more water and soil and emit higher % of greenhouse gases. Nevertheless, 20% of the 263 million tons of meat produced in one year is wasted. In fact, the Portuguese eat more animal products (about 18% more of meat, fish and dairy products than the recommendations) than vegetables products (less than 17% of vegetables, fruit and legumes than the recommendations).

Besides the production, the processing, transportation and packaging also demand a lot of resources, in which the plastic is the most used material for packaging, increasing the wastage and pollution.  

As seen, it’s crucial to implement some measures in order to control the progress of the planet damage and the harmful effects that we are able to witness, by adopting sustainable practices. According to FAO (Food and Agriculture Organization of the United Nations), sustainability consists of the management and conservation of the natural resources in a way that we ensure the attainment and continued satisfaction of human needs for present and future generations.

 

FOOD

A sustainable food is:

  • produced with methods that consider the environment and the animals;
  • local and seasonal foods purchased directly to the producers;
  • non-processed, in order to minimize the quantity of needed resources (e.g water and gas).

In fact, the Mediterranean Dietis a food pattern but also a sustainable life style, that promotes the Mediterranean region. This food pattern promotes the intake of fresh, local and seasonal products, cooked in a simple and healthy manner, promoting the diversity of the food intake and reducing the environmental impact in terms of packaging and transportation of food. Additionally, the diet includes high quantity of foods with less environmental impact, such as vegetables, fruits, whole grains and tubers(like potato). Simultaneously, it helps to reduce food wastage once this diet promotes a moderate intake.

Finally, we point out some practical tips that can help to have a more sustainable food pattern:

  • Don’t waste water (for example don’t shower for more than 5 minutes, close the tap while brushing your teeth, take a shower instead of bath…);
  • Reduce the intake of meat and fish, replacing it for legumes (beans, lentils, peas) and by cereals (rice, pasta and bread…);
  • Buy seasonal and local products;
  • Buy fresh and sold loose product, avoiding extra packages;
  • Buy less “beautiful” fruit – they might look different but still have the same flavor;
  • Plan your shopping in order to avoid wastage. Make use of the leftovers;
  • Avoid foods that are produced far away and are submitted to cold – prefer short-distance chains.

  

REFERENCES:

- Alimentar o futuro: uma reflexão sobre sustentabilidade alimentar. Associação Portuguesa de Nutrição. 2017. ISBN: 978-989-8631-34-3

- https://nutrimento.pt/noticias/outubro-mes-em-que-celebramos-a-alimentacao-e-a-protecao-do-planeta/

- Lopes C, Torres D, et al. Inquérito Alimentar Nacional e de Atividade Física, IAN-AF 2015-2016: Relatório de resultados. Universidade do Porto, 2017. ISBN: 978-989-746-181-1.

- Gregório MJ, Santos MC, Ferreira S, Graça P. Alimentação Inteligente – coma melhor, poupe mais. Direção-Geral da Saúde, 2012. ISBN: 978-972-675-197-7

- Burlingame B & Dernini S. Sustainable diets: The Mediterranean diet as an example. Public Health Nutrition, 14(12A), 2285-2287, 2011. doi:10.1017/S1368980011002527